Projeto quer reservar 30% de vagas em conselhos de administração a mulheres

Projeto quer reservar 30% de vagas em conselhos de administração a mulheres

Proposta, que surgiu dentro do grupo ‘Mulheres do Brasil’, de Luiza Helena Trajano, foi apresentada pela deputada Tabata Amaral; objetivo é garantir maior participação feminina nas decisões estratégicas de grandes companhias brasileiras
BRASÍLIA – Com o apoio de nomes de peso do empresariado brasileiro, como Luiza Helena Trajano, a deputada Tabata Amaral (PDT-SP) quer criar uma regra temporária de cota para mulheres nos conselhos administrativos das empresas. A parlamentar apresentou um projeto de lei para garantir ao menos 30% de participação feminina nos colegiados responsáveis por tomar decisões estratégicas nas companhias e alinhar os interesses de sócios e investidores.

A ideia foi gestada pelo grupo Mulheres do Brasil, iniciativa de diversas empresárias do País e liderada pela presidente do conselho de administração da varejista Magazine Luiza. “O número de mulheres que não fazem parte da família controladora em conselhos é muito baixo. Precisamos de cotas para enfrentar esse problema. É um processo transitório para sanar uma desigualdade”, disse Luiza ao Estadão/Broadcast.

Luiza Trajano

Luiza Trajano vê necessidade de cota para enfrentar baixa diversidade em conselhos. Foto: Felipe Rau/Estadão

A proposta de Tabata, protocolada ontem, prevê que a participação de 30% seja alcançada de forma escalonada em um prazo de até seis anos. A lei deverá ser revisada 20 anos após a sua publicação. Pelo projeto de Tabata, caso a empresa não cumpra a cota, ficará proibida de eleger novo conselheiro ou reeleger os conselheiros atuais até atingi-la.

“A diversidade leva a resultados melhores e faz com que as empresas sejam mais competitivas”, diz a parlamentar, que citou dados da McKinsey que mostram que 25% das grandes empresas no País não têm sequer uma mulher em seus conselhos de administração.

A deputada quer levar a discussão para a bancada feminina (de 77 deputadas, ou 15% do total de cadeiras da Câmara), na qual uma relatora poderá apresentar modificações ao texto.

A proposta se aplica a companhias de capital aberto (com ações negociadas na Bolsa), empresas públicas, sociedades de economia mista e àquelas em que o Estado detém a maioria do capital com direito a voto. Dentro da reserva feminina de vagas, o texto determina que negras, lésbicas, bissexuais, transexuais e mulheres com deficiência ocupem ao menos 15% das cadeiras.

O projeto altera a Lei das Sociedades Anônimas e determina que as empresas devem incluir no relatório anual a política de equidade de gênero. Será obrigatório informar a quantidade e proporção de mulheres contratadas, por níveis hierárquicos, quantas ocupam cargos na administração, a remuneração segregada por gênero em cargos ou funções similares.

Remuneração

Uma pesquisa publicada no ano passado pelos economistas Beatriz Caroline Ribeiro, Bruno Kawaoka Komatsu e Naercio Menezes Filho, do Insper, comparou a remuneração de trabalhadores segundo gênero, raça, escolaridade e tipo de instituição de ensino frequentada (pública ou privada). Um homem branco que concluiu o ensino superior em instituição pública teve média salarial de R$ 7.891,78 entre 2016 e 2019, contra R$ 4.739,64 de mulheres brancas na mesma situação, R$ 4.750,58 de homens pretos e pardos e R$ 3.047,01 de mulheres pretas e pardas.

À espera de Bolsonaro. No início do mês, um projeto de lei para ampliar a multa de empresas que praticam discriminação salarial contra mulheres ainda aguarda sanção do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O Congresso Nacional levou mais de 11 anos para aprovar a proposta, que prevê o pagamento de indenização à empregada prejudicada, no valor de até cinco vezes a diferença de remuneração em relação ao homem que ocupa a mesma função.

A proposta ainda deve ser analisada pelo Ministério da Economia, responsável pelas políticas de trabalho e emprego no País, para identificar eventuais impactos no mercado de trabalho e como a medida poderia ser fiscalizada pelos auditores.

Fonte: estadao

13/04/2021

 

Deixe seu comentário

Sobre

A Academia Brasileira de Marketing é uma iniciativa e propriedade intelectual do Madiamundomarketing, idealizada no final dos anos 90, e institucionalizada em março de 2004.

Parceiro

ABRAMARK

ABRAMARK
Drug Synthroid Online (Levothyroxine) is used for treating low thyroid hormone levels and certain types of goiters. Abilify (Aripiprazole) is used for treating agitation caused by schizophrenia or bipolar disorder, depression. Click to see full text here:
Acquistare Cialis here.
>