O bem de Cannes

O bem de Cannes

armando ferrentiniSe a propaganda, como se costuma dizer, é a primeira a ser cortada nas crises, o reverso também ocorre

1. Em recessão devido à crise econômica e política que o país atravessa, o mercado publicitário brasileiro começou a respirar melhor nos últimos dias.

Uma das causas pode ser atribuída ao bom desempenho – uma vez mais – do Brasil em Cannes, sempre motivo de lembrança da importância da atividade publicitária.

Como a cada versão do festival comparecem mais anunciantes, o que é visto no Cannes Lions estimula-os a usar o ferramental da comunicação, com a vantagem de perceberem e saberem distinguir o criativo do criativoso.

Outra causa – e esta ainda mais significativa – reside nos ainda pequenos, mas estimulantes, sinais de contenção da crise econômica (embora a política promete ainda ferver).

Se a propaganda, como se costuma dizer no mercado, é a primeira a ser cortada nas crises, o reverso também ocorre: ela é a primeira à qual se recorre quando o mau tempo amaina.

É bem verdade que, para muitos pessimistas, a crise vai atravessar o ano todo, com alguns deles prevendo que este segundo semestre já iniciado será ainda pior. Nesse sentido, os mais exagerados deles levam a duração das dificuldades até 2017.

A verdade é que previsões são fáceis de se fazer, principalmente as negativas, porque, se não se confirmarem, será um alívio para todos e ninguém irá reclamar dos seus profetas.

Mas os fatos, que costumam se sobrepor às previsões, começam a confirmar aquela velha teoria da nossa história econômica, que sempre lembra que o Brasil, em qualquer circunstância e época, é sempre maior que a crise.

Não deixa de ser verdade para quem já acompanhou muitas delas, e hoje a probabilidade de curta duração é ainda maior, porque duzentos e dois milhões de pessoas não podem ficar paradas muito tempo aguardando esses dois impostores chamados sorte e azar.

O que já se vislumbra de melhora é resultado puro e simples da reação de todos diante do naufrágio a que fomos submetidos: nadar e aprender a nadar, para quem não sabia, em direção à terra firme.

Significa, em poucas palavras, trabalhar mais e com mais afinco, gastar menos ajustando cada qual seus orçamentos diante da nova realidade e prosseguir vivendo, já que a vida não se repete.

2. Lamentável o comportamento de empresas gigantes como a PepsiCo, a Nestlé e a Unilever, as quais, segundo o online do propmark, podem ser multadas no Brasil em mais de R$ 7,9 milhões caso condenadas em processos abertos contra elas pela Secretaria Nacional do Consumidor do Ministério da Justiça (Senacom).

São acusadas de redução quantitativa de diversos produtos que fabricam, sem a devida informação ao consumidor, o que na prática é conhecido como maquiagem.

Segundo o Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor, em um primeiro momento foi verificado que os produtos com peso inferior tinham as dimensões da embalagem maiores do que a original, a despeito da redução da quantidade.

Em seguida, após a fiscalização, algumas empresas passaram a manter o tamanho das embalagens, com redução da gramatura das mesmas, também sem qualquer informação aos consumidores.

E o que agora se verifica é que a informação sobre o novo peso até existe, mas a redução do produto não é transmitida de maneira clara e ostensiva ao consumidor, como determina o Código de Defesa do Consumidor.

As empresas acima citadas, com exceção da PepsiCo, ainda não notificada oficialmente, já se pronunciaram, sem todavia e em nossa opinião convencer.

3. O Ministério Público do Trabalho deu início a uma campanha contra o assédio moral no trabalho, lembrando que se trata de um abuso que prejudica não só o trabalhador.

O copy do anúncio impresso lembra que “quando o seu chefe humilha, ameaça ou hostiliza você, muita gente sofre. Você fica deprimido, desanimado e até agressivo. E isso se reflete na sua família. Prejudica a sua vida e a vida de quem você mais ama. E só existe uma maneira de evitar o assédio moral. Você precisa reagir. Exigir respeito. Se você passa por isso, denuncie. Sua família agradece. Assédio moral é coisa séria”.

Em outro momento do país, a campanha mereceria elogios. Mas, na crise moral em que determinadas autoridades da República provocaram no governo, com a chefe de Estado obtendo míseros 9% de aprovação na sua função, a campanha pode sugerir querer tapar o sol com a peneira, como diziam nossas avós.

Além de dar a impressão de um objetivo condenável: jogar, nas costas da iniciativa privada, o peso de um comportamento reprovável que todo o país abomina. E que presentemente não é restrito ao relacionamento empresários/chefes/subordinados.

4. Aumentos: Eletropaulo, 17% a mais nas suas tarifas a partir deste sábado (4), vitimando ainda mais o já combalido bolso do consumidor. Pedágio nas estradas paulistas: aumento no início das férias escolares, quando parte significativa da população viaja mais pelas rodovias. Falta de consideração e excesso de desprezo ao usuário.

5. Pêsames: à família de Ricardo Alonso, diretor do Cenp, morto prematuramente na madrugada da última quinta-feira (2). Ricardo foi filho do saudoso Geraldo Alonso, fundador da extinta Norton e um dos principais líderes da publicidade brasileira. Era também irmão de Geraldo Alonso Filho, que dirige o Instituto Cultural da ESPM e que comandou a Norton após o falecimento do pai.

* Presidente da Editora Referência, que edita o jornal propmark e as revistas Propaganda e Marketing

Fonte: Propmark

28/07/2015

Deixe seu comentário

Sobre

A Academia Brasileira de Marketing é uma iniciativa e propriedade intelectual do Madiamundomarketing, idealizada no final dos anos 90, e institucionalizada em março de 2004.

Parceiro

ABRAMARK

ABRAMARK
Drug Synthroid Online (Levothyroxine) is used for treating low thyroid hormone levels and certain types of goiters. Abilify (Aripiprazole) is used for treating agitation caused by schizophrenia or bipolar disorder, depression. Click to see full text here:
Acquistare Cialis here.
>