“Estou vendendo 80% da minha participação para o WPP”, diz Justus

“Estou vendendo 80% da minha participação para o WPP”, diz Justus

CEO do Grupo Newcomm afirma que quer ficar mais “no lado estratégico” da operação
por Paulo Macedo

Roberto Justus está renovando o contrato do Grupo Newcomm com o WPP por cinco anos. O CEO e futuro chairman do grupo que engloba a maior agência do país, a Y&R, consolida a venda de 80% dos seus ativos para a holding inglesa que já era majoritária no negócio. Seu objetivo é ficar mais “no lado estratégico”. Justus defende o modelo brasileiro de publicidade quando abriga a mídia, mas é crítico quanto às regras de preço. “Defendo a livre negociação”, diz Justus, que também faz restrições ao sistema “procurement” dos anunciantes.

JustusRoberto Justus será chairman do Newcomm

foto: alê Oliveira

Como o maior grupo de comunicação do país está vendo o cenário econômico?

É uma preocupação do mercado empresarial. A crise política exerce influência na economia. O Estado não oferece condições para as empresas operarem porque há uma insegurança que norteia todo esse cenário. Não importa se o PIB (Produto Interno Bruto) caiu apenas 3%. O problema é que as vendas despencaram, em alguns mercados, em mais de 40%. O ambiente é desfavorável e o Newcomm está a reboque disso porque os clientes estão mais retraídos. O dever de casa é nos preparar para esse momento ruim. Mais: o capital estrangeiro não se sente atraído em realizar investimentos em nosso país. O rebaixamento das notas do Brasil pelas principais agências de risco influencia essa decisão. O ano de 2016 deve seguir sem alento, o que só deve voltar a acontecer em 2017. Para se ter uma ideia de como a política interfere, bastou o impeachment da presidente Dilma ser iniciado que as bolsas reagiram positivamente e o dólar caiu.

A má gestão pública é cognitiva com os elementos emocionais dos consumidores?

Sim, claro. Mas, repito, ela afeta diretamente os mercados. O Brasil é um país em que o Estado tem um peso tão grande na economia que qualquer sintoma ruim contamina toda a cadeia produtiva. A livre iniciativa é o melhor caminho. O governo deveria se ater ao social, segurança pública, saúde, habitação, educação. O ideal seria o mercado cuidar de todo o resto porque sabe andar sozinho e é muito competente. Quem atrapalha é o governo, que, mesmo cobrando os maiores impostos do mundo, tem corrupção e um serviço público medíocre. Isso colabora para um clima desfavorável à livre iniciativa. A crise política tornou o clima tenso e propiciou uma situação muito difícil. A economia brasileira tem bons fundamentos e é dotada de um parque industrial fantástico. O problema é a infraestrutura e, nesse caso, entra o governo de novo, que não soluciona o escoamento da produção com estradas e outros meios logísticos. A retomada do crescimento econômico depende da solução desse ambiente político e o fim de escândalos.

Como incrementar vendas com o consumidor retraído?

O desemprego é o primeiro sintoma de que o consumidor não tem disponibilidade de recursos. Em tempos de crescimento, a agência ajuda seus clientes no desenvolvimento de produtos porque eles estão querendo expandir faturamento. Nesse momento, o foco é olhar o concorrente e fazer melhor do que ele para chamar a atenção do consumidor. O share of pocket em um mercado recessivo é mais difícil. Por isso, a comunicação tem de estimular a fidelidade às marcas. O objetivo é tirar share do concorrente porque não há novos mercados para serem explorados.

E qual é o papel da publicidade?

Ajudar as marcas a reterem a atenção do consumidor e, como consequência, ganhar a sua preferência na definição de compra.

Qual é o modelo ideal de agência nesse ambiente?

Muita gente reduz operação, mas não faz sentido, porque o ativo mais caro de uma agência é o seu pessoal. Salários e encargos representam cerca de 70% dos custos de uma agência. Mas, se a empresa é desestruturada demais, o risco é a perda de qualidade. Infelizmente uma quantidade de mão de obra teve de ser dispensada. A solução é otimizar serviços. O Grupo Newcomm tem um back office que estrutura áreas como contabilidade e finanças das suas cinco empresas. Recentemente concentramos a produção eletrônica e gráfica da Y&R, Grey, Wunderman, VML e Red Fuse. Conseguimos economizar e manter o nível elevado de entrega. Em tempos de crise, enxugar exige eficiência. E vamos manter esse modelo de execução de produção, independentemente do fim ou não da crise. O que será sempre independente é a inteligência estratégica.

Agências como a Y&R, a maior do país, e a Wunderman já estão consolidadas, qual será o papel da Grey no Newcomm?

A Grey Worldwide conquistou uma reputação internacional materializada com a conquista de 113 leões no Cannes Lions 2015, por exemplo. No Brasil, porém, nunca foi uma marca de sucesso. O projeto é fazer a Grey Brasil ter o mesmo protagonismo de lá fora. Como não tem clientes em muitos segmentos, ela leva vantagem porque pode prospectar negócios nas áreas de telefonia, varejo e bancos. E crescer. O investimento realizado na operação é considerável. Em pessoal e na sede. O Walter Longo presidiu a agência por um período preestabelecido, mas retornou à função de mentor de estratégia, inovação e novos negócios, cedendo lugar a Sergio Prandini, Marcia Esteves e Rodrigo Jatene. A presença do Longo nessa função é essencial no momento de crise. Vou dar atenção à Grey e estamos animados com as perspectivas. A agência atende a um portfólio importante de marcas da P&G, como Gillette e Pantene, por exemplo. Nos próximos dias vamos anunciar pelo menos duas novas contas.

Quais são seus planos para o Newcomm?

Estou renovando meu contrato com o WPP, nosso sócio majoritário, por mais cinco anos. Estou vendendo 80% da minha participação e no final desse novo compromisso vamos rediscutir os 20% restantes. Tudo deve estar assinado nesta terça-feira (15). Meu plano é ficar mais no ambiente estratégico. Isso vai me permitir analisar oportunidades, aquisições e até lançamentos de marcas do WPP no Brasil. O momento do Brasil é de crise e muitas empresas interessantes podem ser absorvidas. Quero estar disponível para o estratégico, repito. Quando a negociação com o WPP for concluída, vamos anunciar o Marcos Quintela, hoje na Y&R, como presidente do Newcomm. E eu passo para a posição de chairman. O Quintela será substituído na Y&R pelo David Laloum. Venho desacelerando o meu dia a dia na parte operacional há algum tempo e dedicando minha agenda aos problemas e soluções estratégicas dos nossos clientes de um modo geral. Desse jeito, consigo me dedicar às atividades de apresentador na Rede Record no programa Roberto Justus Mais e no reality show A Fazenda. Aliás, participar de A Fazenda tem sido prazeroso e surpreendente. É um programa de muita qualidade e considero o melhor reality do país, que vou estar à frente em 2016. O melhor de todos, em minha opinião, foi O Aprendiz.

Essa projeção que a televisão lhe proporcionou ajuda a abrir portas?

Sim. Esse lado que criei para mim, o do entretenimento, é uma fonte inesgotável de energia. Poderia estar parando nesse momento e vendendo todos os meus ativos para o WPP. Mas tenho um prazer enorme de permanecer na vida executiva porque tenho muitas coisas me retroalimentando. Estou sempre presente nos momentos mais importantes do grupo, fazendo reuniões estratégicas com clientes e visualizando oportunidades. Encontrei o momento certo para me tornar desnecessariamente ativo. Eu me dedico ao macro management. No micro, o Newcomm tem um grupo de profissionais que dão conta do recado. A visibilidade que ganhei na TV abre, sim, muitas portas e me aproveito disso. Mas, quando comecei a fazer os meus programas, em 2004, o Newcomm já era o maior grupo de comunicação do mercado.

Como vê o modelo brasileiro de publicidade?

Do jeito que a mídia mudou no mundo, chegou a hora de o modelo internacional ser revisto. Há muitos movimentos nessa direção nos principais mercados. O poder da mídia junto com as disciplinas de criação, atendimento, produção e planejamento é campeão. Sempre defendi e respeitei a livre negociação entre empresas. O Newcomm não se rebaixa. Cobrar pouco, não dá. Temos um valor, e ele precisa ser respeitado. Há uma discussão grande envolvendo o Cenp e a ABA, mas prefiro me concentrar no fenômeno do “procurement” estabelecido nos anunciantes. A área de compras, com a sua visão concentrada em preço, causa um dano enorme ao negócio.

Qual é a missão?

A agência precisa ser mais construtiva. Muitas consultorias entraram nos anunciantes e assumiram um papel na área de comunicação que deveria ser da agência. O Newcomm está atento e é por esta razão que cada vez mais enfatizamos a postura estratégica. É onde quero estar mais presente. Isso interfere na remuneração. O “procurement” vem negociar preço de serviços estratégicos de marketing e comunicação com o mesmo procedimento que usa para comprar cadeiras. Outro dia, participei de uma reunião em uma multinacional e o pessoal de “procurement” estava presente. Fui taxativo em dizer que eles não têm a visão e não respeitam o valor de uma ideia capaz de gerar milhões de retorno para uma marca, produto ou serviço. A remuneração de uma agência não pode estar nesse padrão de redução de custo. Quem paga menos perde qualidade e o resultado é a diminuição de vendas. O modelo de mídia em casa é excelente, mas defendo a livre iniciativa.

Fonte: Propmark

 

23/12/2015

Deixe seu comentário

Sobre

A Academia Brasileira de Marketing é uma iniciativa e propriedade intelectual do Madiamundomarketing, idealizada no final dos anos 90, e institucionalizada em março de 2004.

Parceiro

ABRAMARK

ABRAMARK
Drug Synthroid Online (Levothyroxine) is used for treating low thyroid hormone levels and certain types of goiters. Abilify (Aripiprazole) is used for treating agitation caused by schizophrenia or bipolar disorder, depression. Click to see full text here:
Acquistare Cialis here.
>