Rock in Rio se supera e cidade fatura R$ 1,7 bilhão durante o festival

Rock in Rio se supera e cidade fatura R$ 1,7 bilhão durante o festival

Evento ganhou novas atrações e se tornou um legítimo parque de diversões da música

Quem foi, foi. Quem não foi, agora, só em 2019. E algumas marcas como Doritos já confirmaram o patrocínio da próxima edição brasileira do Rock in Rio, que finalmente encontrou seu lugar, no Parque Olímpico, com 300 mil metros quadrados, que nos sete dias de festival recebeu 700 mil pessoas, 20% a mais que na edição anterior. O evento ganhou novas atrações – e se tornou um legítimo parque de diversões da música, o maior evento de música e entretenimento do mundo. Segundo estudo de impacto econômico da FGV, o Rock in Rio representou R$ 1,7 bilhão para a cidade e atraiu mais de 400 mil turistas. Veja a seguir balanço que Rodolfo Medina, presidente da Artplan e VP do Rock in Rio, faz sobre a edição do evento deste ano.

Rodolfo Medina Rock in RIo

Parque de diversões

Em função da mudança de local, conseguimos ter o dobro de área e pudemos fazer o que sempre sonhamos: cuidar da experiência do público em cada ponto de contato. A principal diferença em relação aos anos anteriores é que as pessoas conseguiram vivenciar o evento, que hoje está mais perto de um parque de diversões, cuja música é o tema central. Isso passou para as pessoas. As pessoas chegavam ao festival e encontravam área de games, de influenciadores digitais, gourmet, duas Rock Streets.

Patrocinadores

Os patrocinadores deram um salto de qualidade e experiência este ano. Reflexo disso é que todos estão querendo renovar, como Doritos e Ipiranga. Este ano tivemos cerca de 18 marcas entre patrocinadores, apoios e patrocinadores principais. Fora operações de comida e bebida que tínhamos lá dentro – marcas envolvidas certamente foram pelo menos 40. Muitas delas têm retornado, mas houve estreias como Red Bull e Johnson & Johnson. Doritos fez o segundo ano e cresceu muito. Outras, como Heineken, Sky, Itaú e Coca-Cola, têm nos acompanhado há muitos anos.

Ânimos

Vivemos um momento muito difícil do Rio de Janeiro. Se já não bastassem os problemas de segurança e econômicos que o estado vive, houve um problema de segurança na Rocinha no meio do evento. O governo atuou rápido, colocando os militares nas ruas, o que acalmou os ânimos. E como o metrô era o principal meio de acesso, junto com BRT, as pessoas não foram tão afetadas pelos problemas. Apesar de toda a tensão, tivemos 100 mil pessoas lá dentro, por dia. 100 mil pessoas felizes, com seus filhos, em harmonia. Pessoas felizes num momento muito tenso. O que ocorreu lá atrás com as Olimpíadas, quando um dia antes tínhamos um evento fracassado. Éramos os vira-latas, que nada dava certo. Depois da festa de abertura, deu um baita orgulho da cidade e do país.

Aposta

Jamais passou pela nossa cabeça adiar ou não realizar o evento. Pelo contrário, junto com outros empresários capitaneando um momento importante para o Rio de Janeiro que é esse calendário que foi lançado no último dia do Rock in Rio, Rio de Janeiro a Janeiro. Vamos ter 150 eventos no mínimo no próximo ano para movimentar a economia, gerar empregos, mostrar que é possível fazer as coisas corretas e, claro, que a segurança passa por isso. Fomos o motor, ajudamos, junto com outros empresários, a fazer o poder público se mexer, o que foi muito importante para o Rio de Janeiro, porque essa é a nossa vocação. Tivemos 60% do público vindo de fora do Rio.

Persistência

Somos antes de tudo um grupo empreendedor, que acredita em sonhos. O Roberto (Medina) é um cara que preza muito isso, realizar sonhos, os nossos sonhos. E o Rock in Rio é isso: fruto de um sonho de 32 anos atrás, e vivemos momentos muito difíceis, mas nunca deixamos de acreditar. O momento mais difícil foi o primeiro Rock in Rio, quando o Brasil não tinha nenhuma estrutura ou condição de fazer algo daquele tamanho, e por uma briga política a Cidade do Rock foi destruída e as pessoas ficaram muito desgastadas. Foi um festival que deu um resultado econômico muito ruim, até porque foi pensado para acontecer durante vários anos e com a destruição o investimento não pôde ser otimizado. Mas ali ficou plantada a semente do que estamos colhendo hoje.

Causa

Amazônia Live é uma bandeira que resolvemos assumir e lançamos com o show no Rio Negro. Tínhamos a meta de plantar 1 milhão de árvores no Rock in Rio e através dos nossos patrocinadores chegar a 3 milhões de árvores. Já no lançamento chegamos a 3 milhões, e conseguimos chegar a 4. E foi uma feliz surpresa nosso projeto de reflorestamento e plantio de árvores ter sido abraçado por algumas instituições internacionais. Com isso o Amazônia Live está agora plantando 70 milhões de árvores.

Internacional

Ano que vem, em maio, teremos Rock in Rio Lisboa. Desde 2004 ele é realizado de dois em dois anos. Fizemos três edições em Madrid e paramos, achamos que construímos por lá o que tínhamos que construir. Fizemos uma edição em Las Vegas e não voltamos a fazer, estamos trabalhando num eventual retorno.

Fonte: Propmark

05/10/2017

Deixe seu comentário

Sobre

A Academia Brasileira de Marketing é uma iniciativa e propriedade intelectual do Madiamundomarketing, idealizada no final dos anos 90, e institucionalizada em março de 2004.

Parceiro

ABRAMARK
Drug Synthroid Online (Levothyroxine) is used for treating low thyroid hormone levels and certain types of goiters. Abilify (Aripiprazole) is used for treating agitation caused by schizophrenia or bipolar disorder, depression. Click to see full text here:
Acquistare Cialis here.
>